7 passos para investir

1- Trace objetivos para investir
Não poupe apenas por poupar; vincule objetivos ao ato de guardar dinheiro. Os objetivos dão força para que você se mantenha na linha e ajudam-no a se planejar e a escolher o melhor tipo de investimento.

2- Coloque os objetivos em uma linha do tempo
Daqui a quanto tempo você pretende usar esse dinheiro? É possível atingir a quantia desejada nesse período? Essas perguntas são essenciais para ajudá-lo a escolher o melhor tipo de investimento. Relacione cada objetivo com um prazo e siga em frente.

3- Escolha os tipos de investimento
Aqui você vai precisar de muita reflexão e auto-conhecimento. Escolha apenas investimentos que têm a ver com o seu perfil de investidor, sejam eles mais simples, como a poupança e o CDB, ou um pouco mais complexos, como os fundos de investimento, os planos de previdência e as ações. Conhecer melhor o mercado financeiro e as suas opções é essencial para sua segurança e tranquilidade. Cada tipo de investimento tem seu risco e seu potencial de retorno. O ideal é combinar o menor risco à melhor rentabilidade.

Pesquise, aprenda, pergunte a quem sabe mais e faça bons negócios.

Dica importante: nunca aposte todas as moedas em um mesmo cavalo. Escolha investimentos variados para garantir a preservação de seu dinheiro. A diversificação é uma fonte de tranquilidade. Se você tiver prejuízo com um tipo de investimento, a perda pode ser compensada pela boa rentabilidade de outro.

4- Pesquise preços, taxas e impostos
Quando você vai comprar um bem, como um eletrodoméstico ou um carro, não costuma pesquisar os preços? O mesmo princípio vale para seus investimentos. Pesquise quais são as melhores taxas cobradas pelos prestadores de serviços, como corretoras, administradores de fundos e custodiantes. Elevadas taxas de administração consomem uma boa fatia do seu bolo de aplicações. Muitos investimentos têm rentabilidades brutas aparentemente atrativas, mas ao longo do tempo, o valor disponível para resgate fica comprometido devido à incidência de taxas e impostos.

5- Rentabilize seu dinheiro
Não basta poupar: é preciso avaliar a rentabilidade de seus investimentos. Se precisar mudar, mude, afinal, seu dinheiro tem que trabalhar a seu favor. O ideal é que você avalie seus investimentos a cada seis meses. Neste prazo, você consegue enxergar se os seus recursos estão rendendo bem ou se existem melhores alternativas.

6- Seja fiel ao seu planejamento
A tarefa mais difícil você conseguiu: iniciar o planejamento. Agora, mantenha-se na linha. A disciplina é mais do que uma virtude no planejamento financeiro.

Após um certo tempo poupando, algumas pessoas são vencidas pela ansiedade e utilizam o dinheiro para planos menores e imediatos. Outras recorrem aos seus investimentos para socorrer-se em qualquer crise que apareceu pelo caminho. A dica aqui é: preserve seu investimento. Separe parte de sua reserva para emergências e crises, mas não deixe todo o seu dinheiro poupado cobrir dificuldades que você superaria tranquilamente sem que fosse necessário sacar de suas reservas.

7- Lembre-se sempre de seus investimentos
Caso tenha rendimentos extras, como bônus, herança e prêmios, não deixe de direcionar parte para seus investimentos. Como diz o ditado: dinheiro na mão é vendaval e, se não separar logo uma quantia para guardar, você gastará tudo sem perceber.

Back to top