ENDIVIDAMENTO DOS BRASILEIROS

Fuja da armadilha do crédito fácil e caro

Apesar de já terem se passado muitos anos desde o início do Plano Real (1994), que controlou a inflação, ainda é possível notar muitos resquícios dos tempos da alta desenfreada dos preços. Os brasileiros ainda não têm cultura de poupança e, pior, mostram grande propensão a se endividar e a fazer escolhas erradas quando se trata de lidar com o próprio dinheiro.

As formas preferidas para se endividar são justamente aqueles créditos dos quais todos deveriam fugir e fazer o sinal da cruz: o cartão de crédito e o cheque especial, ambos com taxas de juros que frequentemente ultrapassam 10% ao mês.

Uma pesquisa encomendada pela Revista Exame (Edição 997 - 10/08/2011) apontou que 67% das pessoas não sabem quanto pagam de juros em empréstimos e dívidas, ou seja, expõem-se a altíssimas taxas a partir da análise de um único critério: se o valor da parcela ou da prestação cabe no bolso.

O número de brasileiros que utilizam o cheque especial é mais do que o dobro de quem solicita crédito pessoal a juros bem menores. Por isso, 58% dos gastos mensais dos brasileiros são para pagamento de juros, enquanto o pagamento do principal ocupa apenas 42% dos desembolsos.

Absurdo? Nem um pouco.

Observe que quase todo mundo entra na armadilha de crédito ao menos uma vez na vida, como na compra de um imóvel. Veja na fatura o valor pago referente aos juros e o valor da amortização. Triste, não? Os juros superam, com folga, o valor pago pela dívida de fato. E, se considerarmos que os juros do financiamento imobiliário são os menores do mercado, imagine o que os empréstimos comuns, cartões de crédito e cheque especial fazem com o seu dinheiro.

Nunca deixe de calcular o valor total de tudo o que você vai pagar. Não basta a prestação caber no bolso: o valor total tem que caber na consciência. Na dúvida, faça um plano para conquistar o bem num curto prazo, juntando dinheiro, pagando à vista e ainda ganhando um desconto de brinde pela disciplina. Planejamento financeiro é a palavra de ordem.

Back to top